Author Archives: jacqueline

Ministério da Saúde disponibiliza nova versão de software para alimentação do SIOPS

Já está disponível no Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (SIOPS) a nova versão do software, incluindo arquivos de estrutura, que possibilitarão aos estados e municípios a inserção dos dados referentes ao primeiro bimestre de 2021.

Os arquivos de estrutura para alimentação do sistema estão disponíveis no Módulo Gestores. Já o novo software para transmissão de dados à base nacional pode ser baixado a partir da página de Downloads. Em ambos os casos, os usuários do Sistema devem utilizar apenas o navegador Internet Explorer.

Os municípios organizados em consórcios de gestão deverão, após atualizações necessárias, editar novamente o cadastro do Consórcio, na área de cadastro de instituições, digitando novamente o nome da organização e salvando no sistema. Após esse procedimento, o sistema deverá ser fechado e aberto novamente para realizar a alimentação dos dados.

Os municípios que precisarem retransmitir dados relativos ao último bimestre de 2020 deverão, após a homologação dos dados retransmitidos, solicitar a atualização do arquivo de estrutura do 1º bimestre por meio do e-mail siops@saude.gov.br.

SIOPS

O SIOPS é uma ferramenta de controle e transparência, que permite ao cidadão acompanhar a aplicação de recursos na área da saúde. Por meio dele, é possível verificar se estados e municípios estão cumprindo os limites mínimos para investimento em saúde, sendo 15% das receitas para municípios e de 12% para estados.

Saiba mais sobre o SIOPS.

Fonte: Ministério da Saúde

Série de quatro webinários sobre a contribuição do PMAQ-AB no desempenho da atenção básica do Brasil

Os resultados das pesquisas produzidas pelo grupo EquiPMAQ serão apresentados e discutidos por meio de uma série de quatro webinários com pesquisadores e gestores de saúde com vasta experiência com o PMAQ-AB. As lições aprendidas com o programa serão discutidas no contexto das mudanças recentes do pagamento por desempenho na atenção básica. Haverá tradução simultânea inglês/português.

No primeiro webinário (27/10/21), será abordada a contribuição do PMAQ-AB na redução das desigualdades socioeconômicas no desempenho das equipes de saúde da atenção básica, analisando dados dos três ciclos do programa. O conteúdo-base do webinário encontra-se no artigo https://www.thelancet.com/journals/langlo/article/PIIS2214-109X(20)30480-0/fulltext e no policy brief https://www.lshtm.ac.uk/media/51066

Inscreva-se no link https://lshtm.zoom.us/webinar/register/WN_4hIRjbHQQFW5BEly-QB18A

No segundo webinário (03/11/21), será discutido o papel do PMAQ-AB na redução das hospitalizações evitáveis, analisando dados longitudinais de 2009-2018 dos municípios brasileiros. O conteúdo-base do webinário encontra-se no artigo https://gh.bmj.com/content/6/7/e005429

Inscreva-se no link https://lshtm.zoom.us/webinar/register/WN_Hw-RqlckQlKRUB1XQUC2Kg

No terceiro webinário (10/11/21), será abordado como os municípios implementaram o PMAQ-AB em nível local, e se essas formas de implementação estão associadas a um melhor desempenho das equipes de saúde da atenção básica.

Inscreva-se no link https://lshtm.zoom.us/webinar/register/WN_K0bj_QGwS3iGmvyQWJj92Q

No quarto webinário (17/11/21), será discutida a percepção de atores-chave municipais envolvidos no processo de implementação do PMAQ-AB, os quais identificaram mecanismos positivos e negativos do programa  para a melhoria do acesso e qualidade da atenção básica. Inscreva-se no link https://lshtm.zoom.us/webinar/register/WN_wu-zeflPTwuDOq02DsMKNQ

O grupo EquiPMAQ é composto por pesquisadores da Universidade de Brasília (Everton Silva, Helena Shimizu), Fiocruz/Brasília (Jorge Barreto), Fiocruz/Pernambuco (Garibaldi Gurgel Júnior, Mariana dos Santos); Universidade Federal da Paraíba (Luciano Gomes, Juliana Sampaio, André Bonifácio), Universidade Federal de Pernambuco (Adriana Falangola, Keila Brito, Francisco Santos), Universidade Federal da Grande Dourados (Letícia Xander), Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (Airton Stein), London School of Hygiene and Tropical Medicine (Josephine Borghi, Timothy Powell-Jackson, Roxanne Kovacs, Loveday Penn-Kekena, Nasser Fardousi) e Manchester University (Søren Rud Kristensen).

 

LIVE: “Economia dos transplantes: resultados de pesquisas recentes”

Os professores e economistas Giácomo Balbinotto Neto, da Universidade Federal do RS (UFRGS), Alexandre Marinho (UERJ, IPEA), Cássia Favoretto (UEM) e Tallys Kalynka Feldens (UFPR) participam de LIVE, no dia 14 e setembro (terça-feira)às 19 horas. Abordarão o tema “Economia dos transplantes: resultados de pesquisas recentes”, dentro do projeto “Força-tarefa: economistas falam à sociedade gaúcha”, promovido pelo Corecon-RS.

Transmissão
www.facebook.com/coreconrs
youtube.com/c/CoreconRS2020

 

Breve Currículo

Alexandre Marinho
Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), mestre e doutor em Economia pela Fundação Getulio Vargas (JGV/RJ), e pós-doutorado em Administração pelo Instituto Coppead de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atualmente é Técnico de Planejamento e Pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e Professor Associado da Faculdade de Ciências Econômicas da UERJ. Foi membro da Câmara Técnica Nacional de Ética, Pesquisa e Educação em Transplantes do Sistema Nacional de Transplantes entre dezembro de 2010 e dezembro de 2014.

Cásia Kely Favoretto 
Graduada em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), mestre em Economia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e doutora em Economia Aplicada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Foi Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Ciências Econômicas UEM (PCE/UEM). Docente do Programa de Pós-graduação em Ciências Econômicas (PCE) e do Departamento de Economia-UEM. É bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq – Nível 2. Realiza pesquisas nas seguintes áreas: Economia da Saúde, Microeconomia, Economia do Agronegócio e Métodos Quantitativos em Economia.

Tallys Kalynka Feldens
Doutoranda em Desenvolvimento Econômico na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Economista da Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (SESA-PR).

Giácomo Balbinotto Neto
Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mestrado em Economia pelo Instituto de Estudos e Pesquisas Econômicas e doutorado em Economia pela Universidade de São Paulo. Atualmente é Professor Associado IV da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e pesquisador do IATS/UFRGS. Professor de Economia da Saúde do PPGE/UFRGS e Pesquisador do Instituto de Avaliação de Tecnologias em Saúde da UFRGS (IATS/UFRGS). Orientador de Doutorado e mestrado. Suas linhas de pesquisa são Economia da Saúde, Avaliação de Tecnologia em Saúde, Economia dos transplantes e Farmacoeconomia.

 

Fonte: http://www.coreconrs.org.br/noticias/1692-live-economia-dos-transplantes-resultados-de-pesquisas-recentes-com-giacomo-balbinotto-alexandre-marinho-cassia-favoretto-e-tallys-kalynka-feldens.html

SIOPS: Estrutura para preenchimento dos dados do 1º bimestre/2021 e nova versão do software

Disponibilização dos arquivos de estrutura para preenchimento dos dados relativos ao 1º bimestre/2021 e nova versão do software do SIOPS

O Ministério da Saúde, por meio do Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desenvolvimento (DESID), informa que, nesta quinta-feira (02/09/2021) foram disponibilizados os arquivos de estrutura para preenchimento dos dados referentes ao 1º bimestre/2021; assim como nova versão do programa SIOPS. O arquivo de estrutura pode ser baixado – por meio do navegador Internet Explorer – no sítio eletrônico do SIOPS, na página do Módulo de Gestores; já o software pode ser baixado na página de Downloads.

Na medida em que os arquivos relativos aos 2º, 3º e 4º bimestres forem disponibilizados, serão divulgados e encaminhados outros comunicados.

Para maiores informações, a Coordenação do SIOPS coloca-se à disposição por meio dos telefones (61) 3315-3173/3172/2901/2823, ou ainda, pelo endereço eletrônico siops@saude.gov.br.

 

Fonte: https://www.conasems.org.br/siops-estrutura-para-preenchimento-dos-dados-do-1o-bimestre-2021-e-nova-versao-do-software/

Webinário sobre Direito à saúde, judicialização e a jurisprudência do STF acontece hoje quinta (02)

Dando continuidade às lives sobre os manuais da série “Judicialização da saúde nos municípios: como responder e prevenir”, acontece, hoje quinta-feira (02/09), às 15h, o webinário “Direito à saúde, judicialização e a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal” pelo canal do Conasems no YouTube. Durante o encontro, haverá a possibilidade de debate online com os participantes e acesso posterior ao material veiculado.

Convidados:

Daniel Wei Liang Wang – Professor de Direito da Fundação Getúlio Vargas-SP e Coordenador do Projeto Judicialização da Saúde nos Municípios

Ana Carolina Morozowski – Juíza federal substituta da 3ª Vara Federal de Curitiba especializada em saúde.

A transmissão ao vivo será feita pelo link: https://youtu.be/TcR1E5zyPxA


Judicialização da saúde

A judicialização da saúde é entendida como o fenômeno das ações judiciais contra o Sistema Único de Saúde (SUS) que demandam o fornecimento de tratamentos médicos com base no direito constitucional à saúde. Os manuais foram criados com objetivo de difundir conhecimento sobre essa temática e aprimorar a resposta dos municípios a essa demandas, extrajudicialmente ou no curso dos processos.

Direito à saúde, judicialização e a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal

O manual trata sobre decisões do STF que têm se mostrado sensíveis à necessidade de parâmetros mais claros e de um melhor equilíbrio entre, de um lado, a proteção judicial do direito à saúde e, do outro, a sustentabilidade, eficiência e equidade no SUS.

O material, que tem como objetivo servir de referência para os gestores, técnicos e equipe jurídica dos municípios, entre outros atores que trabalham com o tema, dialoga três perguntas a partir de jurisprudência recente do STF: pode o Judiciário obrigar o SUS a fornecer tratamentos sem registro na Anvisa? Pode o Judiciário obrigar o fornecimento de tratamentos não incorporados no SUS? Como é dividida entre municípios, estados e União a responsabilidade de responder demandas e fornecer tratamentos médicos por ordem judicial?

Fonte: https://www.conasems.org.br/

CIT: pactuada portaria de atualização do modelo de financiamento da Atenção Básica

A Reunião da Comissão Intergestores Tripartite (CIT) de agosto aconteceu na quinta-feira dia 26/08. Dentre as pautas discutidas, estiveram pactuações de portarias relacionadas à Atenção Primária à Saúde, em destaque a atualização do Programa Previne Brasil, além da apresentação do cenário epidemiológico da Covid-19 e informes.

Em relação a pactuação do Programa Previne Brasil, a partir da competência financeira de setembro o modelo de cofinanciamento federal passa a incorporar:

– Prorrogação do pagamento equivalente a 100% do alcance do componente desempenho, até dezembro;
– Instituição do valor per capita anual conforme a estimativa populacional IBGE, de maneira permanente e não mais transitória;
– Substituição do conceito limite de cadastros, por potencial de cadastros, para evitar o entendimento errôneo de limitação de adscrição da população;
– Reconhecimento das populações ribeirinhas, prisional e de rua para capitação ponderada nas equipes credenciadas e homologadas dos municípios;
– Capitação ponderada terá seu pagamento por cadastros efetivados;
– Complementação financeira para quem não atingir o potencial de cadastro de maneira permanente até o referido atingimento;
– Complementação financeira para quem atingir o potencial de cadastro e possuir ISF igual ou maior a 7 no referido quadrimestre de avaliação.

Confira aqui o vídeo sobre as novas regras para o programa Previne Brasil

Foi pactuado no âmbito do Eixo Estrutura do Programa Qualifar-SUS o projeto fortalecimento da cadeia de frio da rede municipal de saúde. O projeto tem por finalidades: Ampliação da capacidade de armazenamento e melhoria da conservação de medicamentos termolábeis na rede de saúde municipal; Estímulo ao processo contínuo e progressivo de obtenção de dados para planejamento, avaliação e monitoramento da Assistência Farmacêutica; Qualificação das Farmáciasda APS que dispensam e almoxarifados municipais que armazenam medicamentos termolábeis; Contribuição para garantia e ampliação do acesso da população a medicamentos eficazes, seguros e de qualidade.

Além dessas pactuações, também foi pactuada a Portaria de fortalecimento das ações de cadastramento e qualificação do processo de assistência aos adolescentes no âmbito Atenção Primária à Saúde.

Oficina Tripartite do Plano de Enfrentamento das Mortalidades Materna e Infantil, que aconteceu nos dias 10 e 11 deste mês, foi pauta da reunião. A vice-presidente do Conasems, Cristiane Pantaleão, comentou sobre os resultados do encontro. “Tivemos a participação de todas as secretarias do Ministério da Saúde e de sociedades relacionadas ao tema. É o início de um processo de construção das ações que visam causar um impacto significativo nesses indicadores”.

Mauro Junqueira, secretário executivo do Conasems, enfatizou os problemas gerados pelos vazios assistenciais que pioram ainda mais esses indicadores. “Temos diversos hospitais de pequeno porte sem financiamento e sem equipe para atender as gestantes, é essencial considerar esse problema para traçar estratégias que saiam do papel e virem uma realidade nos municípios”.

Covid-19

Foi apresentado o Painel epidemiológico da Covid-19. Ao todo, foram registrados 576.645 mil óbitos pela doença no Brasil, o último registro diário é de 903 óbitos. O secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, ressaltou a mudança da faixa etária dos óbitos. “Os óbitos vêm caindo de maneira consistente nas últimas semanas e a faixa etária alterou bastante”. Confira o gráfico apresentado durante a reunião:

Em relação ao Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Covid-19, foi apresentada a previsão de entregas para setembro, com um total de 62.646.442 milhões de doses.

Informes e apresentações:

– Resultados da Pesquisa realizada junto aos estados referente a aquisição dos medicamentos de Intubação Orotraqueal (IOT).

– Curso sobre Doenças Raras – SGTES/MS.

– Curso de Formação de Multiplicadores em Urgências e Emergências em Saúde Mental – SGTES/MS.

– Lançamento do Curso “Gestão de Equipamentos Médico-Assistenciais” para capacitação de gestores no SUS

 Lançamento de publicações do Catálogo de Materiais em Saúde e do Banco de Preços em Saúde

– Carta acordo em parceria com OPAS/OMS do Projeto da Escola Nacional de Farmacêuticos

– Atualização do guia de certificação de transmissão vertical sífilis/HIV e selo de boas práticas em sífilis e HIV

Confira aqui a reunião na íntegra: https://youtu.be/e9ogxN79QLs 

Fonte: https://www.conasems.org.br/

Ministério da Saúde oferece curso sobre Gestão de Equipamentos Médico-assistenciais

Como adquirir equipamentos médico-assistenciais para assistência em saúde à população? Quais as especificações da estrutura predial necessária à instalação do equipamento? Como realizar a manutenção dele ou quando substituí-lo? Essas são algumas das questões que serão respondidas no curso “Gestão de Equipamentos Médico-assistenciais”, voltado a técnicos e gestores de saúde que atuam na área de infraestrutura das secretarias estaduais e municipais.

Ofertado na modalidade a distância, o curso, de 120 horas, está sendo lançado durante a reunião da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), nesta quinta-feira (26/08), a partir das 14h, na Organização Pan-america da Saúde (Opas).

O curso possui material didático multimídia e atividades de correção automatizada. Os participantes terão a oportunidade de dar feedback sobre o processo de aprendizagem.

Nas vídeo aulas, os inscritos poderão simular situações-problema enfrentadas no cotidiano de trabalho. Há, ainda, acesso às referências bibliográficas, materiais complementares e um glossário com as terminologias técnicas, expressões ou siglas.

O curso é oferecido pelo Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desenvolvimento (Desid) e pela Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação em Saúde (SGETS), do Ministério da Saúde.

Saiba mais clicando aqui.

Ministério da Saúde
(61) 3315-3580 / 2351

 

Fonte:https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/ministerio-da-saude-oferece-curso-sobre-gestao-de-equipamentos-medico-assistenciais

Mudanças no Financiamento do SUS é tema de novo curso da UNA-SUS/UFMA

Compreender o modelo de financiamento do SUS, com ênfase na Atenção Primária à Saúde, os componentes orçamentários e os investimentos nessa linha de atenção, bem como a transferência e gestão de recursos federais no âmbito das políticas públicas. Esse é o objetivo central do curso Mudanças no Financiamento do SUS. As matrículas estão abertas e podem ser realizadas até o dia 4 de janeiro de 2022, pelo link.

Com carga horária de 45 horas, a capacitação é ofertada na modalidade a distância, autoinstrucional, gratuita e com início imediato. O público-alvo são secretários (as) municipais e estaduais de saúde, coordenadores (as) de áreas técnicas e profissionais de nível superior envolvidos no processo de tomada de decisão em saúde.

O curso é fruto da parceria entre o Ministério da Saúde e a Universidade Federal do Maranhão, por meio da Diretoria de Tecnologias na Educação (DTED/UFMA), Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS/UFMA) e Grupo de SAITE (CNPq/UFMA).

A oferta aborda a gestão de recursos públicos de saúde, com destaque para a atenção básica, e explora, entre outras temáticas, conceitos básicos sobre financiamento. Entre os temas, estão: responsabilidades dos entes federados acerca do financiamento; aspectos do novo modelo de financiamento da Atenção Primária à Saúde; ações e serviços públicos de saúde; lei nº 141/2012; sistema de Informação sobre Orçamentos Públicos em Saúde (SIOPS); instrumentos do planejamento orçamentário do governo; transferência e gestão de recursos federais; atenção Primária à Saúde; financiamento da APS; previne Brasil.

CERTIFICAÇÃO

O aluno poderá emitir a sua certificação caso obtenha nota final maior ou igual a 70.0 (setenta) após o somatório de todas as atividades avaliativas disponíveis no “mapa de recursos”. Também, deverá concluir o Questionário de Avaliação do Curso, responder à situação-problema (pré e pós-teste) e navegar em todos os recursos educacionais disponíveis no AVA.

O certificado é gratuito, reconhecido pelo MEC e validado pela Universidade Federal do Maranhão.

A oportunidade educacional é desenvolvida em um ambiente virtual inovador, com recursos de acessibilidade (como audiodescrição e tradução para Libras) e disponível também em versão para dispositivos móveis. Durante a jornada de aprendizagem, o aluno terá acesso a diversos objetos educacionais e estratégias de avaliação, sendo eles: e-books, PDF e infográfico.

O curso faz parte do programa Gestão em Saúde, que possui três cursos de cargas horárias independentes. O aluno poderá realizar todos os cursos e obter o certificado com carga horária total de 135 horas.

ORGANIZAÇÃO DO SUS

A capacitação foi o primeiro lançamento do programa Gestão em Saúde e aborda os processos organizacionais do SUS, cuja coordenação consiste na mobilização e gerência de profissionais, recursos, estratégias e processos de trabalho. O curso apresenta os seguintes temas: Estruturação e Configuração do SUS e Gestão em saúde no SUS: tomada de decisão e processo de planejamento.

Carga-horária: 45h

Para se matricular e acessar o curso, clique aqui.

ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE NO SUS

A capacitação apresenta alguns aspectos fundamentais para entender como a APS é estruturada e a relação dessa linha de atenção com os demais pontos de assistência. Aborda ainda os componentes da Rede de Atenção à Saúde (RAS). Desse modo, o curso é dividido pelos seguintes temas: Atenção Primária à Saúde: construção e organização; Rede de Atenção à Saúde: trajetória histórica, conceitos e elementos de constituição da rede.

Carga-horária: 45h

Para se matricular e acessar o curso, clique aqui.

Para saber mais sobre essas e outras ofertas UNA-SUS, acesse: www.unasus.gov.br/cursos.

 

Fonte: https://www.conasems.org.br/mudancas-no-financiamento-do-sus-e-tema-de-novo-curso-da-una-sus-ufma/

Nota Informativa: Esclarecimentos sobre atraso na disponibilização do Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde – SIOPS

O Ministério da Saúde disponibilizou Nota Informativa com esclarecimentos sobre atraso na disponibilização do Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde – SIOPS, no ano de 2021: sobre os possíveis prazos para entrega das versões ainda não disponibilizadas e já com prazos vencidos, bem como das futuras versões de transmissão bimestrais do exercício de 2021 SIOPS.

A Nota Informativa esclarece que em virtude de atualizações necessárias no sistema e alterações das fontes de recursos a disponibilização da versão de transmissão dos dados do SIOPS referente aos 1º, 2º e 3º bimestres de 2021 foi comprometida.

Com isso, informa-se que a previsão é que a disponibilização dos módulos bimestrais em atraso do SIOPS 2021 ocorra até o dia 12 de agosto de 2021 e que sejam tomadas providências para que as versões futuras sejam disponibilizadas tempestivamente.

Para ler a Nota Informativa na íntegra clique aqui.

 

Fonte: https://www.conasems.org.br/nota-informativa-esclarecimentos-sobre-atraso-na-disponibilizacao-do-sistema-de-informacoes-sobre-orcamentos-publicos-em-saude-siops/

Fiocruz Brasília debate inteligência artificial e desigualdades em saúde

Parceria com a Universidade de São Paulo (USP), mobiliza pesquisadores nacionais e internacionais em torno das implicações éticas do uso da inteligência artificial na saúde.

Imagine um sistema de inteligência artificial que pressuponha graus de propensão ao crime de acordo com a cor da pele de uma pessoa. Apesar de condenável, estudos têm demonstrado que os algoritmos de inteligência artificial podem tomar decisões discriminatórias. “Eles não são neutros. Podem ser elaborados a partir de vieses com potencial para agravar desigualdades, inclusive em saúde”, conta Felix Rigoli, pesquisador da Universidade de São Paulo (USP) e coordenador do XI Ciclo de Debates: Inteligência Artificial e Desigualdades em Saúde.

Entre agosto e novembro, pesquisadores do Brasil, Itália, Uruguai, Canadá e Colômbia debaterão os desafios e as preocupações em torno da aplicação da inteligência artificial na saúde. Confira os temas:

  • 18 de agosto: Inteligência Artificial e Atenção à Saúde
  • 23 de setembro: Inteligência Artificial e Saúde para Todos
  • 21 de outubro: Inteligência Artificial e Indústria Farmacêutica
  • 18 de novembro: Regulação em Saúde na Era da Big Data

Veja aqui programação completa do XI Ciclo de Debates: Inteligência Artificial e Desigualdades em Saúde e inscreva-se!

As inscrições são gratuitas e os participantes receberão certificado da Escola de Governo Fiocruz Brasília.  Os debates serão transmitidos ao vivo no canal do YouTube do Núcleo de Estudos sobre Bioética e Diplomacia em Saúde (Nethis) da Fiocruz Brasília.

A serviço do ser humano

O pesquisador da USP explica que a proposta do Ciclo de Debates é discutir quais os possíveis caminhos para que a inteligência artificial seja aplicada na saúde sem perpetuar e ampliar as desigualdades existentes entre as populações. “Nosso intuito não é depreciar os benefícios que a inteligência artificial pode trazer à saúde individual e coletiva. Queremos discutir como essa tecnologia pode ajudar a construir um mundo mais justo e humano”.

Com doutorado na área de sistemas complexos na saúde, Rigoli foi convidado, em 2020, pela Academia de Ciências do Vaticano, em Roma, para ministrar uma palestra sobre inteligência artificial e inequidades em saúde. Além pesquisador da USP, Rigoli é consultor sênior do Nethis/Fiocruz Brasília.

Ciclo de Debates

O XI Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública é promovido pelo Núcleo de Estudos em Bioética e Diplomacia em Saúde (Nethis/Fiocruz Brasília). A concepção das atividades deste semestre é uma inciativa compartilhada entre o Nethis/Fiocruz Brasília e Centro de Estudos e Pesquisas de Direito Sanitário (Cepedisa) da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP/USP).

XI Ciclo de Debates: Inteligência Artificial e Desigualdades em Saúde

Abertura: 18 de agosto – 14h

Transmissão ao vivo: https://www.youtube.com/nethisvideo

Inscrições: https://bit.ly/IA-DesigualdadesSaude-Agosto

 Fonte: NETHIS – Núcleo de Estudos sobre Bioética e Diplomacia em Saúde