Author Archives: jacqueline

Veja a gravação do 2º Simpósio de Economia da Saúde

Durante o evento, foram destacadas experiências de outros países que resultaram em maior eficiência dos investimentos

Para disseminar o conhecimento sobre modelos de pagamento e possível aplicabilidade no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), o Ministério da Saúde promoveu, na terça-feira (13), o 2º Simpósio de Economia da Saúde. O evento ocorreu na sede da Organização Pan-Americana de Saúde no Brasil (Opas/OMS).

Assista à gravação do evento

Durante a reunião, o secretário-executivo adjunto do Ministério da Saúde, Marcus Vinícius Dias, apontou a necessidade do desenvolvimento de alternativas inovadoras para aprimorar a forma de pagamento do cuidado à saúde no SUS. “A partir dessa discussão e do trabalho da economia da saúde, construímos a base que, no futuro, possamos remunerar e premiar a promoção da saúde, e não apenas o adoecimento”, exemplificou.

A discussão sobre os modelos de pagamento, de acordo com a representante da Opas/OMS no Brasil, Socorro Gross, é fundamental para pensar a sustentabilidade da saúde pública e a garantia do acesso à saúde. No caso do Brasil, “é preciso levar em consideração o contexto do país e respeitar os princípios do SUS”, pontuou.

Experiências sobre mudanças de modelos de remuneração de sistemas universais semelhantes ao SUS, especialmente os que resultaram em avanços relacionados à melhoria da eficiência, qualidade da oferta dos serviços e ampliação do acesso e da equidade da atenção à saúde, de acordo com as necessidades da população. Esses foram os principais temas abordados no simpósio.

Para melhor subsidiar os temas, foram apresentados estudos sobre modelos de pagamento do financiamento federal do SUS e mapeamento da literatura científica sobre os modelos de remuneração utilizados no Brasil e no mundo. Houve ainda explanação de modelos de pagamento na saúde suplementar brasileira.

O evento também contou com a participação de convidados estrangeiros que abordaram modelos de pagamento em Portugal, nas Américas e no Reino Unido, cujo sistema, o National Health System (NHS), guarda muitas semelhanças com o SUS.

“Ao conhecermos o modo como outros países organizam a alocação de recursos para seus serviços de saúde, podemos encontrar soluções e alternativas para aprimorar a forma como organizamos a nossa alocação, melhorar a qualidade dos serviços e gerar acesso à saúde pública brasileira por meio do financiamento. Assim, podemos garantir o cuidado à saúde mais equitativo e de acordo com as necessidades da população”, destacou o diretor do Departamento de Economia da Saúde, Investimento e Desempenho do Ministério da Saúde (DESID/SE/MS), Everton Macêdo.

Boletim de Economia da Saúde
Durante o evento, foi lançada a nova edição do Boletim de Economia da Saúde, elaborado pela equipe técnica do Departamento de Economia da Saúde, Investimento e Desempenho do Ministério da Saúde. O documento reúne conteúdo sobre o Programa Nacional de Gestão de Custos (PNGC).

Ministério da Saúde

2º Simpósio de Economia da Saúde – link de acesso

A participação no evento poderá ser presencial ou remota, com inscrições até 9 de setembro

Estão abertas até o dia 9 de setembro as inscrições para participação no 2º Simpósio de Economia da Saúde, que nessa edição aborda os modelos de pagamento já utilizados ou que podem ser aplicados no Sistema Único de Saúde (SUS). O Simpósio, promovido pelo Departamento de Economia da Saúde, Investimento e Desempenho da Secretaria Executiva (DESID/SE/MS), objetiva não só disseminar o conhecimento sobre modelos de pagamento no âmbito do Ministério da Saúde, mas também apresentar resultados das mudanças de modelos de remuneração de sistemas universais semelhantes ao SUS, especialmente os avanços relacionados à equidade e à eficiência na oferta de serviços.

Para realizar inscrição, os interessados devem preencher um formulário e apontar se a participação pretendida será presencial ou remota. Para a participação presencial serão disponibilizadas 100 vagas, de acordo com a capacidade do auditório. Aqueles que fizerem inscrição para acompanhar o evento remotamente, poderão acessar a sala virtual pelo link que dará acesso a todas as discussões.

Além de convidados brasileiros, o evento também contará com a participação de convidados estrangeiros, que tratarão de modelos de pagamento em Portugal, nas Américas e também no Reino Unido, cujo sistema, o NHS, guarda muitas semelhanças com o SUS.

Na ocasião, será lançada a nova edição do Boletim de Economia da Saúde, elaborada pela equipe técnica do DESID/SE com o objetivo de trazer um pouco mais de conhecimento sobre o Programa Nacional de Gestão de Custos – PNGC. O simpósio será realizado no dia 13 de setembro, das 9h às 16h, no auditório da OPAS/OMS, em Brasília/DF.

 

Programação

2° Simpósio de Economia da Saúde – Edição Modelos de Pagamento

9:00 às 9:30h – Abertura do evento com representantes do Ministério da Saúde

Participação: Representante da OPAS/OMS no Brasil: Dra. Socorro Gross

Secretário Executivo: Bruno Silva Dalcomo

Diretor do DESID: Everton Macêdo

9:30 às 10:00h – Mapeamento da literatura científica sobre os modelos de remuneração utilizados no Brasil e no mundo

Apresentação: Daniela Fortunato – DECIT/SCTIE/MS

10:00 às 10:30h – Modelos de pagamento no financiamento federal do Sistema Único de Saúde

Apresentação: Rebeca Carmo – DESID/SE/MS

10:30h às 10:50h – Discussão

Moderador: em definição

Intervalo: 10:50h a 11:10h

11:10 às 11:40h – Cenário dos modelos de pagamento no Sistema de Nacional de Saúde (Portugal)

Apresentação: Ricardo Mestre – Subdiretor-geral da Saúde

11:40 às 12:10 – Modelos de pagamento na Saúde Suplementar

Apresentação: Renata Gasparello (ANS)

12:10h às 12:30h – Discussão

Moderator: Everton Macedo

12:30 às 14:00 – Almoço

14:00 às 14:20h – Modelos de pagamento nas Américas

Apresentação: Claudia Pescetto – Consultora em Economia da Saúde e Financiamento na OPAS/OMS

14:20 às 14:40h – Palestra com representante do National Health System (NHS)

Apresentação: a definir

14:40 às 15:10h: Discussão

Moderador: Roberto Tapia (OPAS/OMS)

15:10-15:40h – Lançamento do Boletim de Economia da Saúde: Edição PNGC

Apresentação: Maciene Mendes Silva

Coffee break : 15:40h às 16:00h

16:00 -16:30 – Encerramento

Responsável: Diretor do DESID: Everton Macedo

Coordenador-Geral da CGES: Vitor Lima

Coordenadora da CAEES: Luciana Xavier

 

Comunicação/DESID/SE

2º Simpósio de Economia da Saúde discute modelos de pagamento para o SUS

A participação no evento poderá ser presencial ou remota, com inscrições até 9 de setembro

Estão abertas até o dia 9 de setembro as inscrições para participação no 2º Simpósio de Economia da Saúde, que nessa edição aborda os modelos de pagamento já utilizados ou que podem ser aplicados no Sistema Único de Saúde (SUS). O Simpósio, promovido pelo Departamento de Economia da Saúde, Investimento e Desempenho da Secretaria Executiva (DESID/SE/MS), objetiva não só disseminar o conhecimento sobre modelos de pagamento no âmbito do Ministério da Saúde, mas também apresentar resultados das mudanças de modelos de remuneração de sistemas universais semelhantes ao SUS, especialmente os avanços relacionados à equidade e à eficiência na oferta de serviços.

Para realizar as inscrições, os interessados devem preencher o formulário disponível neste link e apontar se a participação pretendida será presencial ou remota. Para a participação presencial serão 100 vagas, de acordo com a capacidade do auditório da representação da Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil (OPAS/OMS), onde será realizado o evento.

Aqueles que fizerem inscrição para acompanhar o evento remotamente, poderão acessar a sala virtual pelo link que dará acesso a todas as discussões.

Além de convidados brasileiros, o evento também contará com a participação de convidados estrangeiros, que tratarão de modelos de pagamento em Portugal, nas Américas e também no Reino Unido, cujo sistema, o NHS, guarda muitas semelhanças com o SUS.

Na ocasião, será lançada a nova edição do Boletim de Economia da Saúde, elaborada pela equipe técnica do DESID/SE com o objetivo de trazer um pouco mais de conhecimento sobre o Programa Nacional de Gestão de Custos – PNGC. O Simpósio será realizado no dia 13 de setembro, das 9h às 16h, no Auditório da OPAS/OMS em Brasília. Confira abaixo a programação do evento:

Programação

2° Simpósio de Economia da Saúde – Edição Modelos de Pagamento

9:00 às 9:30h – Abertura do evento com representantes do Ministério da Saúde

Participação: Dra. Socorro Gross – Representante da OPAS/OMS no Brasil:

Bruno Silva Dalcomo – Secretário Executivo

Everton Macêdo – Diretor do DESID

9:30 às 10:00h – Mapeamento da literatura científica sobre os modelos de remuneração utilizados no Brasil e no mundo

Apresentação: Daniela Fortunato – DECIT/SCTIE/MS

10:00 às 10:30h – Modelos de pagamento no financiamento federal do Sistema Único de Saúde

Apresentação: Rebeca Carmo – DESID/SE/MS

10:30h às 10:50h – Discussão

Moderador: em definição

10:50h a 11:10h – Intervalo

11:10 às 11:40h – Cenário dos modelos de pagamento no Sistema de Nacional de Saúde (Portugal)

Apresentação: Ricardo Mestre – Subdiretor-geral da Saúde

11:40 às 12:10 – Modelos de pagamento na Saúde Suplementar

Apresentação: Renata Gasparello  – ANS

12:10h às 12:30h – Discussão

Moderador: Everton Macedo – Diretor do DESID

12:30 às 14:00 – Almoço

14:00 às 14:20h – Modelos de pagamento nas Américas

Apresentação:Claudia Pescetto – Consultora em Economia da Saúde e Financiamento na OPAS/OMS

14:20 às 14:40h – Palestra com representante do National Health System (NHS)

Apresentação: a definir

14:40 às 15:10h: Discussão

Moderador: Roberto Tapia (OPAS/OMS)

15:10-15:40h – Lançamento do Boletim de Economia da Saúde: Edição PNGC

Apresentação: Maciene Mendes Silva

15:40h às 16:00h – Coffee break

16:00 -16:30 – Encerramento

Responsável: Everton Macedo – Diretor do DESID

Vitor Lima – Coordenador-Geral da CGES

Luciana Xavier – Coordenadora da CAEES

Comunicação/DESID/SE

COOPERAÇÃO TÉCNICA – Encontro compartilha experiências para aperfeiçoar a gestão de projetos do SUS

Evento marca o início do processo de diagnóstico dos perfis de escritórios de projetos do Ministério da Saúde, para estruturação de uma rede de gerenciamento de projetos da pasta

Foto: Tatiany Volker – Decoop/SE/MS

O Ministério da Saúde participou nesta segunda-feira (30/08), no Rio de Janeiro (RJ), da Oficina da Rede de Escritórios de Gerenciamento de Projetos para compartilhamento de experiências e conhecimentos na área de gestão de projetos realizados no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

O encontro teve como objetivo realizar o reconhecimento das áreas técnicas das secretarias responsáveis pela gestão de projetos, apresentação das novas coordenações gerais e iniciar o processo de mapeamento das ações, metodologias, fluxos e processos de trabalho para realização de um diagnóstico de perfis de escritórios da pasta. Após a conclusão desta etapa, será estruturada uma Rede de Escritórios de Gerenciamento de Projetos do Ministério da Saúde.

O trabalho em rede é um processo longo que conta com a construção de espaços de encontro e ação conjunta, envolvendo cumplicidade, articulações e compromisso. Para a coordenadora do Laboratório de Inovação na Gestão Pública da Escola Nacional de Saúde Publica Sérgio Arouca (Ensp/Fiocruz), Ana Carneiro, deve-se valer da diversidade de opiniões para produzir processos de aprendizagem comuns que se convertam em linhas de ação para todos.

Foto: Tatiany Volker – Decoop/SE/MS

“Estar em rede significa ser capaz de fazer uso da capacidade de ser sujeito (ativo e responsável), sugerir mudanças, administrar complexidades e incentivar a articulação, o fortalecimento e, se necessário, a (re)construção contínua das redes”, pontuou.

Trabalhar em rede envolve cultura e visão de transformação, em especial a construção de formas de interação e intervenção. “Nosso objetivo é estruturar uma rede para troca de experiências, alinhamentos e busca de soluções compartilhadas entre as áreas, para que tenhamos uma gestão mais eficiente e inovadora dos projetos de cooperação de todo o Ministério”, destacou a diretora de Cooperação Técnica e Desenvolvimento em Saúde do Ministério da Saúde, Ana Paula Siqueira.

Durante o encontro, gestores das coordenações-gerais de projetos do Ministério da Saúde apresentaram as ações que vêm sendo realizadas para o gerenciamento dos projetos desenvolvidos em seus setores. Participaram do evento representantes da Secretaria-Executiva e secretarias de Atenção Primária à Saúde (SAPS); Atenção Especializada em Saúde (SAES/MS); Vigilância em Saúde (SVS); Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos (SCTIE); Saúde Indígena (SESAI); além do Fundo Nacional de Saúde (FNS) e Conselho Nacional de Saúde (CNS). Também estiveram presentes a vice-presidente adjunta de Gestão e Desenvolvimento Institucional  da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Priscila Ferraz; o diretor e a vice-diretora da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP/Fiocruz), Marcos Menezes e MarisMary De Setta; e o coordenador do Escritório de Projetos da Ensp/Fiocruz, Marcos Ivan.

O evento é uma iniciativa da Rede de Escritórios de Projetos da ENSP/Fiocruz em parceria com o Departamento de Cooperação Técnica e Desenvolvimento em Saúde da Secretaria Executiva do Ministério da Saúde (Decoop/SE/MS).

Fonte: Comunicação/Decoop

Comitê gestor do Proadi-SUS aprova novos projetos e propostas para o fortalecimento do SUS

Programa prevê investimentos da ordem de R$ 2 bilhões em recursos oriundos de isenções fiscais para o triênio 2021-2023 e conta atualmente com 152 projetos em execução

Foto: Tatiany Volker – Decoop/SE/MS.

O comitê gestor do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS) aprovou nesta quarta-feira (25/08) mais dois projetos e três propostas a serem desenvolvidas no âmbito do programa. A aprovação ocorreu durante a 8ª reunião do comitê gestor do programa, realizada na sede da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS).

Secretário-executivo do Ministério da Saúde, Bruno Dalcomo.

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Bruno Dalcomo, participou da reunião e destacou a importância do Proadi-SUS para o fortalecimento do SUS. “Podemos ver, pela necessidade e significância dos temas apresentados pelos projetos aprovados hoje, a importância de termos um programa como o Proadi-SUS. São recursos que não viriam a princípio para a saúde e que chegam até nós para complementar nosso orçamento e financiar ações estratégicas na área de pesquisa, gestão e incorporação de tecnologias”, destacou.

Para a diretora do Departamento de Cooperação Técnica e Desenvolvimento em Saúde (Decoop/SE/MS), Ana Paula Siqueira, os projetos desenvolvidos no âmbito do Proadi-SUS passam por uma análise técnica criteriosa até serem aprovados em última instância pelo comitê gestor. “Não medimos esforços para garantir que cada projeto seja celebrado com a maior brevidade possível e que sejam cumpridos padrões técnicos em consonância com os objetivos e metas do Plano Nacional de Saúde vigente (2021-2023), que são proporcionar saúde de qualidade, equânime e universal para todos os brasileiros”, lembrou.

Diretora do Decoop/SE/MS, Ana Paula Siqueira.

Aprovações

O primeiro projeto aprovado contará com R$ 7,3 milhões para a realização de um estudo clínico randomizado de avaliação da eficácia da dapagliflozina, fármaco desenvolvido para o tratamento da diabetes tipo 2, em pacientes críticos. A pesquisa busca reduzir o desfecho hierárquico de mortalidade e avaliar a necessidade de terapia de substituição renal, bem como tempo de estadia em UTI para esses pacientes. O projeto será executado pelo Hospital Albert Einstein e finalizado até 31 de dezembro de 2023.

Já o segundo, oferta um MBA em Liderança e Gestão Pública na Saúde, com o objetivo de capacitar 60 profissionais em competências avançadas de liderança e gestão pública, com foco no aumento da eficiência do SUS. O projeto também será executado pelo Hospital Albert Einstein até 31 de dezembro de 2023 e terá o investimento de R$1,6 milhão.

Também foram aprovadas duas propostas para desenvolvimento de projetos de pesquisa sobre prevenção de diabetes; avaliação de incidência de trombose e hemorragia relacionados ao câncer do sistema nervoso central; e uma para pós-graduação de docência em saúde. Os valores das propostas destes projetos somam quase R$ 8 milhões.

A reunião contou ainda com a participação do secretário-executivo adjunto (SE/MS), Marcus Vinícius Dias; da secretária adjunta da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos (SCTIE/MS), Ana Paula Teles Barreto; da representante da OPAS/OMS no Brasil, Socorro Gross; do presidente do Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Wilames Freire Bezerra; e do vice-presidente do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) da Região Centro Oeste, Sandro Rogério Batista. Também estiveram presentes representantes da Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação em Saúde (Sgtes/MS) e dos hospitais de excelência que integram o Proadi-SUS.

PROADI-SUS – O Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (Proadi-SUS) é financiado com recursos de imunidade tributária concedida aos hospitais filantrópicos de excelência reconhecida pelo Ministério da Saúde. Para o triênio 2021-2023 participam seis hospitais de excelência, que propuseram 212 propostas, das quais 152 foram aprovadas, com previsão de alocação de recursos de mais de R$ 2,074 bilhões em três anos. Dos 152 projetos já aprovados para este triênio, 36,8% envolvem o desenvolvimento de técnicas de operação de gestão em serviços de saúde, 32,9% estão direcionados a pesquisas de interesse público em saúde, 25% para capacitação de recursos humanos e 5,3% em estudos de avaliação para incorporação de novas tecnologias no Sistema Único de Saúde (SUS).

Saiba mais sobre o programa aqui.

Ministério da Saúde realiza 1º Encontro dos Gestores de Projetos

A meta é consolidar uma rede de escritórios de gerenciamento de projetos para aperfeiçoar a gestão de projetos do SUS.

O Ministério da Saúde deu início nesta segunda-feira (22/08) a uma série de encontros para  qualificar o processo de gestão de projetos desenvolvidos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Com o tema  “Relato de Experiência em Gestão de Projetos na Administração Pública”, o primeiro encontro apresentou iniciativas inovadoras desenvolvidas por órgãos públicos com o objetivo de trocar experiências e conhecimentos para o aprimoramento contínuo do gerenciamento de projetos estratégicos para o fortalecimento do SUS.

A primeira palestra abordou a experiência do Pólen, Laboratório de Inovação em Gestão Pública e a estruturação da Rede de Escritórios de Projetos, ambas desenvolvidas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Em seguida foi apresentada a experiência de sucesso do gerenciamento de Projetos de Cooperação Técnica da Escola Nacional de Administração Pública (Enap), considerando importantes aspectos da cooperação com organismos internacionais.

Os encontros serão mensais e buscam sensibilizar os gestores de projetos da pasta para a importância do melhoramento contínuo do gerenciamento e processo de trabalho quanto à elaboração e ao monitoramento dos projetos.

“Nossa tarefa é contribuir com a construção de uma cultura de inovação em gestão de projetos, que apresente soluções inovadores para os desafios gerenciais e que se preocupe com a entrega de resultados que impacte positivamente o SUS”, destacou a diretora de Projetos de Cooperação Técnica e Desenvolvimento em Saúde do Ministério da Saúde, Ana Paula Siqueira.

Cada encontro contará com a presença de profissionais e especialistas da área de gestão de projetos para abordagem de conceitos, ferramentas e metodologias aplicadas em projetos geridos na gestão pública.

“É um orgulho proporcionar essa capacitação junto ao Decoop. Nesse encontro, estamos aprendendo e compartilhando diversas metodologias e experiências em gestão de projetos. É uma atividade de apoio à gestão, que pode melhorar o desenvolvimento e desfechos de nossas ações. O mundo está projetizando e buscamos ser o exemplo dessa implementação no Ministério da Saúde”, declarou a diretora de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Alessandra Siqueira.

O evento foi realizado pelo Departamento de Cooperação Técnica de Desenvolvimento em Saúde (Decoop/SE/MS) em parceria com o Departamento de Ciência e Tecnologia (Decit/SCTIE/MS).

Rede de Projetos  

A iniciativa integra uma série de ações voltadas para a estruturação de uma rede de escritórios de gestão de projetos do Ministério da Saúde. “Acreditamos que a organização em rede é uma estratégia inovadora em busca de soluções compartilhadas para uma gestão mais eficiente dos projetos de cooperação”, defendeu a diretora de Projetos de Cooperação Técnica e Desenvolvimento em Saúde do Ministério da Saúde, Ana Paula Siqueira.

O Departamento de Cooperação Técnica de Desenvolvimento em Saúde (Decoop/SE/MS) funcionará como Escritório Central da Rede de Projetos para apoio e suporte às secretarias do Ministério da Saúde na tomada de decisão quanto ao gerenciamento de seus projetos.

Fonte: Comunicação DECOOP/SE/MS

Chamada Pública – Economia da Saúde – Pesquisas para a melhoria do gasto público em saúde

CHAMADA PÚBLICA – CNPQ/DECIT/SCTIE/MS/DESID/SE/MS Nº44/2022
ECONOMIA DA SAÚDE – PESQUISAS PARA A MELHORIA DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE

Dia 09/08 – 14h30

O Ministério da Saúde e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) lançam nesta terça-feira (09/08) edital de chamada pública para pesquisas no campo da Economia da Saúde, com o objetivo de melhorar os gastos em saúde e sua distribuição no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

O orçamento reservado para o financiamento das pesquisas é de R$ 1 milhão e poderão ser investidos em custeio, como compra de material de consumo e pagamento de passagens e diárias, e com o pagamento de bolsas aos participantes do projeto, excetuando-se o coordenador, que não poderá ser bolsista do projeto.

Pesquisadores vinculados a instituições de pesquisa brasileiras poderão concorrer em oito linhas temáticas sendo:

  1. Estudos que analisem a eficiência vinculada ao princípio da equidade de estabelecimentos da Atenção Primária à Saúde (APS);
  2. e da Atenção Especializada à Saúde;
  3. Construção/proposta de Índice Global de Eficiência dos estabelecimentos de saúde; Avaliação do impacto orçamentário na saúde diante de mudanças de tributação (PIS, Cofins e ISS) no âmbito do SUS;
  4. Avaliação do impacto orçamentário na saúde diante de mudanças de tributação (PIS, Cofins e ISS) no âmbito do SUS;
  5. Elaboração de análise de impacto orçamentário das deduções tributárias com saúde no IRPF (Imposto de Renda de Pessoa Física) e IPPJ (Imposto sobre a renda das pessoas jurídicas) sobre os recursos aplicados no SUS, considerando as mudanças demográficas, os repasses de recursos e a inflação (poder de compra);
  6. Estudos de custo das doenças crônicas cardiovasculares no âmbito do SUS;
  7. Estudos de custo de Covid-19 no âmbito do SUS;
  8. Estudos que analisem a influência das estruturas de mercado de medicamentos brasileira na formação dos preços de medicamentos no âmbito do SUS.

As propostas deverão ser encaminhadas ao CNPq exclusivamente por meio da internet, com utilização do Formulário de Propostas Online, disponível na Plataforma Integrada Carlos Chagas, até o dia 12 de setembro de 2022. Para esclarecimentos e informações adicionais, os interessados poderão contatar o CNPq pelo e-mail atendimento@cnpq.br ou pelo telefone (61) 3211-4000.

O lançamento do edital acontecerá no gabinete da Secretaria Executiva do Ministério da Saúde e será transmitido pela internet, no link: https://datasus.saude.gov.br/emtemporeal

Clique aqui para ler o edital da chamada pública: 

Fonte: Ministério da Saúde

Semana de Inovação 2022 – o maior evento de inovação pública da América Latina

Estão abertas as inscrições para a Semana de Inovação 2022. Organizado pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), Tribunal de Contas da União (TCU), Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso) e Ministério da Economia, o evento chega a sua oitava edição, em formato híbrido, com atividades presenciais em Brasília, Recife e Rio de Janeiro, e com conteúdo exclusivo e interativo on-line.

Em 2022, a Semana de Inovação é um chamado para ação. É tempo de criar! Para resolver grandes problemas e entregar soluções, a inovação tem que estar a serviço da ação e da criação do novo. Nesta edição, a Semana contará com um time de especialistas nacionais e internacionais, espaços para trocas de experiências, atividades, palestras, oficinas, mesas redondas, cursos, sessões on-demand e outras atrações.

O objetivo é fomentar a discussão de ideias, a troca de experiências e uma mentalidade mais disruptiva na administração pública. Além disso, o evento favorece e dissemina a cultura da inovação entre os agentes públicos e apresenta tendências e possibilidades para a transformação das organizações.

“A Semana de Inovação deste ano tem o tema Tempo de Criar, e vai fazer uma ponte entre a visão de como a boa governança do século 21 pode estar a serviço da entrega e da capacidade de criação e de intervenção no mundo concreto dos governos para resolver os problemas das pessoas”, ressalta a diretora de Inovação da Enap, Bruna Santos.

O Ministério da Saúde participará do evento representado pela Secretaria Executiva por meio dos Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desempenho (DESID) e Departamento de Cooperação Técnica e Desempenho em Saúde (DECOOP) e, ainda, pela Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde por meio do Departamento de Ciência e Tecnologia (DECIT).

A programação e participação do DESID e DECOOP da Secretaria Executiva do Ministério da Saúde será com a apresentação dos seguintes temas:

Dia 09/08

— 9h – Palco Holofote (Presencial): Aprimorando a geração de valor público com a Economia da Saúde – Everton Macêdo, diretor do Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desempenho (DESID).

— 18h30 – Streaming da Inovação (Online): Onde está o dinheiro da saúde: informação pública mais acessível à sociedade – Wesley Rodrigues Trigueiro, coordenador do Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde (SIOPS).

— 18h30 – Streaming da Inovação (Online): Inovação tecnológica para o aprimoramento da gestão, controle e monitoramento dos projetos – Nelson Jorge Lemos de Souza Junior (DECOOP).

— 18h30 – Streaming da Inovação (Online): A contribuição da inovação tecnológica para o aprimoramento da gestão e monitoramento dos projetos de cooperação técnica internacional firmados entre o Ministério da Saúde e organismos internacionais – Marta Cristine Peres Barros (DECOOP).

O público em geral também colabora com o evento, com o envio de propostas de atividades, como mesas redondas, pitchs e outros formatos de conteúdos presenciais e on demand, distribuídos em três frentes temáticas:

Políticas públicas inovadoras e entrega de valor público

Nessa frente temática serão realizadas atividades que possibilitem aos participantes a reflexão e construção de respostas para as seguintes questões: como podemos inovar no desenho, implementação e avaliação de políticas públicas? Como entregar serviços públicos de forma mais ágil e mais aderente às necessidades da sociedade? Diante de um país que enfrenta tantos desafios complexos e sistêmicos, como a inovação pode alavancar a solução desses problemas?

Inovação na prática: gestão e métodos com impacto na vida das pessoas

Nos últimos anos surgiram uma série de metodologias e abordagens de inovação com possibilidades de uso na gestão pública. Nessa frente, serão realizadas atividades que auxiliem a responder as questões a seguir: Como essas metodologias podem ser aplicadas para superar os desafios da gestão pública? De que forma os resultados da gestão podem ser impactados por elas? Que novos modelos de gestão têm surgido e como eles têm tornado a administração pública mais ágil e responsiva?

Novas tecnologias a serviço da transformação digital

A tecnologia já faz parte da maioria das atividades do nosso dia a dia. Com isso, sua presença no setor público se tornou mais que uma questão de otimização de processos — é uma necessidade. Nessa frente, serão realizadas atividades que auxiliem a responder as questões a seguir: Quais são as tecnologias emergentes no cenário mundial e suas aplicações em governos? Como a administração pública pode se apropriar e fazer uso dessas novas tecnologias para melhorar as suas entregas e tornar mais simples e ágil a relação entre o governo e o cidadão?

COMO SE INSCREVER

  • É necessário possuir uma conta no Zoom. Caso não saiba como, acesse o link: https://bit.ly/crie-uma-conta-zoom
  • Acesse o site da Semana de Inovação 2022: https://gov.br/enap/semanadeinovacao
  • Clique no botão “Clique e faça sua inscrição pelo zoom”
  • Selecione o tipo de ingresso desejado (Atenção!! A opção presencial dá acesso a todo o conteúdo online. Caso seja escolhido somente o ingresso online, não será possível comparecer ao presencial)

Nos espaços presenciais, as inscrições serão limitadas, de acordo com a lotação.

Caso tenha dúvidas, acesse o tutorial: https://youtu.be/2j8s-AmBJlM

Serviço

Semana de Inovação 2022

  • Data: de 8 a 10 de agosto
  • Preço: gratuito
  • Formato: híbrido (presencial e online)
  • Locais:

Brasília: Escola Nacional de Administração Pública (Enap) – Setor Policial Sul, Área 2A

Recife: Fundação Joaquim Nabuco – Fundaj e Porto Digital (10/8)

Rio de Janeiro: Museu de Arte do Rio –  MAR (9/8)

Inscrições: Abertas! Acesse o site: https://gov.br/enap/semanadeinovacao

Veja o que aconteceu na edição de 2021

Com o tema “Ousar Transformar”, a Semana de Inovação 2021 apresentou mais de 300 horas de conteúdo, 200 atividades, 30 palestrantes nacionais e internacionais, 40 pitchs, debates e reflexões estratégicas rumo à construção do serviço público que queremos para o século 21. Veja o que rolou na última edição:  https://youtu.be/jmFtqGKS-RM

 

Fonte: https://www.enap.gov.br/pt/acontece/noticias/inscricoes-abertas-para-a-semana-de-inovacao-2022 

Estratégia de Cooperação do País 2022-2027: Brasil

Nesta segunda-feira, 18, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS), assinou a Estratégia de Cooperação com o País (ECP) 2022–2027.  Conass e Conasems também assinaram, como testemunhas, o documento que orienta a cooperação técnica com o Brasil, além de corroborar com a longa história de parceria da OPAS/OMS com o governo brasileiro e ratificar o compromisso de trabalho para alcance da saúde como um direito de todos e dever do Estado.

A ECP 2022-2027 resultou do diálogo entre a Organização e suas instituições parceiras, especialmente com Ministério da Saúde (MS), Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems) e Conselho Nacional de Saúde (CNS) e está pautada no alcance das prioridades estratégicas e respectivas áreas de foco consensuadas na esteira do fortalecimento do SUS, considera fortemente as repercussões da pandemia da Covid-19 na saúde e na vida da população e configura-se como oportunidade de reforçar compromissos e alianças para o enfrentamento dos desafios ainda existentes no campo da saúde pública com o apoio da cooperação técnica da OPAS/OMS com o Brasil.

O documento foi construído considerando ainda as referências estratégicas de alto nível como o Plano Estratégico (2020-2025) da OPAS, a Agenda de Saúde Sustentável para as Américas (2018-2030), o 13º Programa Geral de Trabalho da OMS, as metas dos ODS e o processo de elaboração do Marco de Cooperação das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (UNSDCF) 2023-2027, Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030, Estratégia para Acesso Universal à Saúde, cobertura universal de saúde, entre outros documentos de referência e conta com cinco prioridades estratégicas: 1) proteger e promover a saúde da população, centrada nas pessoas, famílias e comunidades, especialmente aquelas em situação de vulnerabilidade; 2) recuperar, melhorar e tornar mais forte os serviços de saúde e os programas prioritários impactados pela pandemia da Covid-19; 3) contribuir ao desenvolvimento de um SUS mais resiliente, equitativo e eficaz, de acordo com as necessidades de saúde da população; 4) impulsionar a pesquisa, a inovação e a geração de conhecimentos científicos e tecnológicos em saúde, incluindo aqueles voltados à pesquisa, ao desenvolvimento e à produção de medicamentos, fitoterápicos e produtos tradicionais em saúde, vacinas, biotecnológicos e tecnologias em saúde e; 5) reforçar a prevenção, a preparação, a resposta oportuna e a recuperação nas emergências e nos
desastres, com a participação das comunidades afetadas.

Acesse aqui o documento na íntegra.

 

Fonte: https://www.conass.org.br/32410-2/